Deu match com a empresa: como usar o processo seletivo a seu favor

20 Apr 2016 Autor: Juliana Maffia • Categoria: Preparação


planta-cactus-jbsDando continuidade ao #MovimentoSeja de abril, conversamos com o Carlos Gonçalo, trainee aprovado pela JBS, empresa do segmento de bens de consumo. Carlos é trainee na área de embalagens metálicas. Ele conta que a visão que tem sobre o programa trainee é muito diferente do que ele imaginava quando estava na faculdade.

Em que momento você descobriu que queria ser trainee?

Durante a graduação tive vontade de fazer um intercâmbio. Então me inscrevi no “Ciências sem fronteiras” e morei 1 ano na Itália, onde tive oportunidade de realizar meu primeiro estágio. Isso foi crucial para minha escolha como trainee.

Nessa experiência, tive que me adaptar em pouco tempo: me habituei a um país diferente ao passo em que assumi novas responsabilidades no estágio. Experiências como essa dizem muito sobre o perfil da pessoa. Foi aí que reconheci minha resiliência.

Além disso, nos projetos da faculdade eu sempre tive um perfil colaborativo. Era um líder mão na massa, dividia as atividades e dava direcionamento. Hoje vejo a importância disso para a indústria e minhas atividades. Lidero uma equipe de 20 pessoas e percebo o valor de minhas experiências acadêmicas.

Como foi a busca por um trainee?

No começo eu procurei vários programas. Em alguns, percebia a falta de alinhamento logo na Dinâmica de grupo. Um exemplo foi uma empresa que trouxe muitos elementos de pressão e competitividade. Naquele momento já percebi que aquilo não era para mim.

A maior dificuldade era conhecer a empresa ser ter contato com ela. Só lendo o site, eu não entendia como um valor se aplicaria à realidade. Até por conta disso, ir na DG era essencial.

Quando participei da dinâmica de grupo da JBS, algo que fez a diferença foi a presença do RH. Eles contaram mais sobre a empresa, o que facilitou minha escolha.

E por que JBS?

Hoje, olhando para os valores da JBS, não imagino outra empresa que fizesse mais sentido para mim. Talvez se eu tivesse passado na primeira empresa que tentei, poderia estar frustrado.

Seja autêntico no processo seletivo. Se você servir para o perfil, a contratação é inevitável.

Foi o que aconteceu comigo! Sou trainee da JBS há 3 meses e vejo que o Programa de Trainee Industrial da JBS é bem completo. É uma oportunidade de crescer de forma acelerada: ao mesmo tempo em que desenvolvo a técnica, também desenvolvo o lado da gestão.

Qual foi o maior desafio no processo seletivo?

O painel de negócios com os gestores. O processo seletivo reúne muita gente boa e, apesar de ter ficado orgulhoso de mim por ter avançado no processo, sabia que teria que convencer diretores de que eu tinha potencial, o que não seria uma tarefa fácil.

Qual é a dica que você deixa para os futuros trainees?

Algo que me ajudou foi o processo de autoconhecimento: reconhecer meus pontos fortes e fracos e usá-los a meu favor fez toda a diferença. À medida em que entendia que o processo seletivo era um meio de me conhecer, também ficava mais tranquilo para encará-lo com autenticidade.

Fique ligado nos próximos depoimentos do #MovimentoSeja, que serão divulgados no Youtube e MyTrainee. Quer conhecer mais histórias inspiradoras? Inscreva-se na Palestra Online – O que eles aprenderam? Histórias Inspiradoras de Trainees Aprovados.