De São Paulo à Paris: a história dos estudantes que ganharam a final global do game da L’Oréal

05 Feb 2018 Autor: Ítalo Andrade • Categoria: Prepare-se


Você já pensou em começar sua carreira com um prêmio internacional? Esse foi o sonho que três estudantes brasileiros realizaram durante o game Brandstorm, desenvolvido pela L’Oréal.  Felipe Buniac (terceiro ano de engenharia da computação), Luca Noto (segundo ano de Engenharia Mecatrônica) e Matheus Marotzke (terceiro ano de Engenharia da Computação) se inscreveram no game, desenvolveram um projeto, foram a Paris e ainda ganharam a final global da competição na França.

Como tudo começou…

Se aventurar numa competição internacional com estudantes do mundo inteiro? Esse é um desafio de quem gosta de pensar fora da caixa! Com os meninos não foi diferente. Antes de se inscreverem no Brandstorm da L’Oréal, Lucas, Felipe e Matheus participaram de outras competições de inovação e isso estimulou os meninos a se desafiarem cada vez mais. Segundo Felipe, eles já haviam percebido o interesse por inovação e a intersecção de tecnologia e negócios. Com o anúncio da então nova categoria de Tech do Brandstorm viram a possibilidade de explorar novamente essa área, e crescer durante com a competição

Desenvolvimento do projeto

“Durante as primeiras fases tivemos o trabalho de entender um mercado que nunca tínhamos considerado antes. Entender usuários e desenvolver um conceito que fosse inovador e entregasse valor”, conta Felipe. Depois da pesquisa de mercado chegou a hora de desenvolver um protótipo, provar os conceitos e, principalmente, treinar a criação de uma apresentação que fosse sólida e clara.

O projeto dos estudantes foi uma solução para o mercado masculino, da geração millennial. Uma linha de produtos customizados que seriam criados a partir de uma conversa com um chatbot. Respondendo a algumas perguntas, o cliente sairia com uma cápsula biodegradável ideal para atender suas necessidades (de fragrância e princípio ativo para tratar algo em específico, como a caspa, por exemplo).

Como eles chegaram lá!

Com uma ideia bem definida, enviaram o projeto para análise e ficaram entre os 7 times que foram convidados para a final nacional, no Rio de Janeiro. Nessa fase fizeram um Pitch de 15 minutos, em inglês, sobre o conceito do projeto para uma plateia composta por executivos da L’Oréal.

Naquele ano havia ainda uma pré-seleção regional, com participantes de outros países das Américas. O projeto deles foi enviado para avaliação nos Estados Unidos e finalmente chegou a boa notícia: eles foram selecionados para final Global. “Lembro até hoje! Estávamos na faculdade e o telefone toca, o número era do Rio de Janeiro. Saí da sala com medo do resultado e voltei pulando, chamando o Felipe e atrapalhando a aula. Tentamos até pregar uma peça no Luca e fingir que infelizmente não tínhamos conseguido, mas a animação foi incontrolável! Nós estávamos a caminho de uma aventura! Viajando para Paris”, lembra Matheus.

A chegada em Paris foi desafiadora. Pouco antes do prêmio final, eles estavam providenciando os protótipos para apresentação e trabalhando muito. “Nosso quarto de hotel serviu de laboratório de gastronomia molecular para as cápsulas e palco de, pelo menos, umas 30 apresentações finais”, recorda Felipe.

Diante dos 42 melhores times do mundo que foram a Paris para a competição, Lucas, Matheus e Felipe conseguiram se destacar: foram selecionados como uma das seis equipes finalistas. “Após cinco apresentações fomos chamados ao palco e, em 5 minutos, apresentamos para mais de 600 pessoas. Foi incrível!”, diz Felipe.

O que ficou…

Muita experiência! “Com certeza o aspecto mais importante é a habilidade de inovar e integrar áreas de maneira orgânica criando soluções que realmente entregam valor ao usuário. Mas, ao mesmo tempo, a capacidade de administrar o tempo e um time, a fim de tirar ideias do papel. Uma experiência que nos enriquece como indivíduos, em diversos aspectos profissionais e pessoais”, diz Felipe.

A visão dos meninos sobre a L’Oréal também mudou. “Passamos de ver com a empresa que faz aquele shampoo que eu gosto” para a empresa que “tem uma cultura de inovação e uma área de desenvolvimento incrível, que trabalha com tecnologia e que visa excelência”.

E você? Ficou inspirado para participar desse game desafiador? A dica dos estudantes ganhadores é simples: “Tenha perseverança! Seja crítico com seu trabalho, encontre erros e os corrija, não existe “está bom “tem que estar incrível, quando se trata de uma competição deste porte. E o mais importante de tudo, seja humilde durante toda a prova. E divirta-se! Faça amigos, conheça pessoas!”.